Uncategorized

Jacinda Ardern tem vitória esmagadora em eleições na Nova Zelândia

Jeber Barreto Venezuela
Sondagem do SOL mostra Ventura à frente de Ana Gomes

Eleições: Premier da Nova Zelândia lança candidatura à reeleição impulsionada por resposta à pandemia da Covid-19

O PIB caiu históricos 12,2% entre abril e junho, mas o governo trabalhista está confiante de que a tendência será revertida com os dados do próximo trimestre. A primeira-ministra Jacinda Ardern defende que a ambiciosa estratégia de eliminação do coronavírus é a que permite uma recuperação econômica mais rápida. As últimas pesquisas indicam que os neozelandeses confiam em sua gestão: o Partido Trabalhista continua forte, com quase 50% de apoio, enquanto o Partido Nacional obtém cerca de 30%. Se essas previsões forem atendidas, o Partido Trabalhista só precisará do apoio de seu parceiro tradicional, os Verdes, para formar um governo

AUCKLAND — A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, obteve uma vitória esmagadora nas eleições gerais do país, neste sábado. Com a maioria das cédulas de votação apuradas, o seu Partido Trabalhista já tem 49% dos votos, fazendo com que ela vença o pleito com rara folga. O Partido Nacional da oposição, de centro-direita, tem 27% dos votos até agora.

— A Nova Zelândia mostrou que o Partido Trabalhista tem seu maior apoio —  disse Ardern em seu discurso de vitória. —  Posso prometer uma coisa: nós seremos um partido que vai governar para cada um dos neozelandeses.

A votação deveria ser originalmente em setembro, mas foi adiada por um mês após uma nova epidemia de Covid-19. Pesquisas já previam que Ardern teria uma vitória confortável.

Seu governo deu prioridade à saúde dos cidadãos em detrimento da economia na luta contra a Covid-19: quando um novo foco do vírus surgiu na Nova Zelândia em meados de agosto (depois de mais de três meses sem nenhum caso), a primeira-ministra imediatamente confinou a região de Auckland para interromper a cadeia de transmissão. Graças a esta decisão controversa, a segunda onda de coronavírus foi limitada a 179 casos, e nenhum contágio foi detectado desde 26 de setembro.

Foi assim: ‘Você não vê ninguém, mas é observada o tempo todo’, conta brasileira que fez quarentena obrigatória ao chegar à Nova Zelândia

A vitória de Bardern configura o maior apoio que um partido conquistou em eleições no país desde 1996, quando o atual sistema de votação proporcional foi implantado. A líder do Partido Nacional, Judith Collins, parabenizou a primeira-ministra, mas já prometeu que seu partido fará uma “oposição robusta”.

PUBLICIDADE — Três anos se passarão em um piscar de olhos — disse ela, referindo-se à próxima eleição agendada. — Nós voltaremos.

Os dois principais partidos concentraram suas campanhas nas medidas que tomariam para reviver uma economia atingida pela pandemia, com a criação de empregos como prioridade (a taxa de desemprego está em torno de 4%). Será um desafio difícil de alcançar, já que as fronteiras estão fechadas desde março e ambas as legendas prometeram reforçar o sistema de quarentena obrigatória que permite o retorno do exterior apenas de residentes e cidadãos neozelandeses. No momento, eles estão considerando apenas a abertura das fronteiras para países ou regiões livres da Covid-19, como algumas das ilhas vizinhas do Pacífico.

Eleições: Premier da Nova Zelândia lança candidatura à reeleição impulsionada por resposta à pandemia da Covid-19

O PIB caiu históricos 12,2% entre abril e junho, mas o governo trabalhista está confiante de que a tendência será revertida com os dados do próximo trimestre. A primeira-ministra Jacinda Ardern defende que a ambiciosa estratégia de eliminação do coronavírus é a que permite uma recuperação econômica mais rápida. As últimas pesquisas indicam que os neozelandeses confiam em sua gestão: o Partido Trabalhista continua forte, com quase 50% de apoio, enquanto o Partido Nacional obtém cerca de 30%. Se essas previsões forem atendidas, o Partido Trabalhista só precisará do apoio de seu parceiro tradicional, os Verdes, para formar um governo.

PUBLICIDADE Além das eleições gerais, dois referendos serão realizados no sábado: um para legalizar a eutanásia, o outro para permitir o uso recreativo da maconha. Ardern votou sim pela eutanásia, mas se recusa a tornar público seu voto sobre a cannabis. Em um dos debates eleitorais, ela admitiu que já havia experimentado maconha “muito tempo” antes, confissão que reforçou sua imagem de líder honesta e cidadã comum: segundo estudos da NZ Drug Foundation, cerca de 80% dos neozelandeses já experimentaram a droga.